A transformação de uma égua

Como uma amazona transformou uma égua comum em uma égua de tambor

Rachel Pozzi nunca planejou competir em grades eventos de rodeio, e muito menos que sua égua poderia se transformar de “uma pequena e velha égua de gado” em uma atleta de tambor rápida o suficiente para se classificar para a principal competição de rodeio.

E então, após a terceira corrida na noite do evento, a média de pontos deu ao conjunto o 10º lugar na College National Finals Rodeo’s. Embora ainda tivessem 23 outros conjuntos para competir e potencialmente com chances de tirar a dupla do até então atual posição, Pozzi disse não ter dúvidas sobre seu animal. De fato ela sabia da qualidade da sua égua e esperaria dali para mais no próximo ano.

Os pais da Rachel comparam a égua dela, a Bubbles, em um estaleiro de vendas no Colorado por US$ 1.500,00. Inesperadamente, ela se tornaria uma atleta de rodeio mais de 10 anos depois. “Ela era um diamante não lapidado”, disse Pozzi.

Mas antes de chegar às grandes competições, o conjunto teve que superar algumas dificuldades. Quando mais nova, enviaram a Bubbles para treinar em outro local, mas a pessoa que a transportava decidiu pegá-la para si e nunca a entregou ao seu destino. Por dias seus proprietários buscaram ajuda para encontrá-la e contaram com a ajuda da confiável comunidade do cavalo para espalhar a notícia de que ela havia sumido.

Uma semana depois, alguns amigos encontraram a égua e a motorista no Texas. Ao que aparenta, a moça que a raptou reconheceu o impressionante pedigree com traços do Quarto de Milha de Bubbles, e por isso tinha mantido o cavalo para si. O animal foi devolvido e iniciou seus trabalhos na fazenda, até que atingiu seus 9 anos de idade de sua proprietária, Rachel, iniciou um trabalho paralelo para transformá-la em uma atleta de rodeio.

Onde elas treinavam não tinha uma arena própria para, então corriam e trotavam em torno de arbustos de mandiocas em um campo qualquer. Por já estarem acostumadas com chão desregular, o conjunto foi capaz de competir em alta velocidade quando de fato estavam em uma pista de verdade. “A coisa mais importante para criar um cavalo atleta é ter um cavalo “quebrado””, disse Pozzi.

Apesar de um começo nada fácil, Bubbles provou ser uma ótima aprendiz. O treinamento básico contribuiu para que ela conseguisse enfrentar a multidão das arenas. Até mesmo perto de outos cavalos ela se manteve livre de distrações.

Ainda que tivesse medo dos tambores, a ex-égua de gado usou desse fator para ser mais cautelosa com os objetos que ela circunda, evitando até mesmo derrubá-los durante competições.

Acima de tudo, Pozzi disse que Bubbles tem coragem. Ela é o tipo de cavalo que vai realizar o que precisa, não importando as circunstâncias. Ela correu na terra dura, molhada e até alagada. Ela corre através de granizo e vento mesmo quando está coberta de lama fria. Como seu dono, ela é simplesmente uma atleta durona.

“Ela é incrível!”, disse Pozzi. “Eu nunca esperei que um cavalo assim entrasse em minha vida.”

 

Fonte: Casper Star Tribune

Compartilhe este artigo nas redes sociais

Related Posts

Matrizes na Luz

Você sabia que as éguas são poliéstricas sazonais de dias longos? Isso significa que elas apresentam vários ciclos consecutivos durante o período do ano de […]

29 maio 2018
O legado de Don Diego Bars

Não há um amante da Vaquejada que não conheça a história e admire o garanhão Don Diego BARS. Para o Haras Joel Gonçalves, o dia […]

25 maio 2018