A transformação de uma égua

Como uma amazona transformou uma égua comum em uma égua de tambor

Rachel Pozzi nunca planejou competir em grades eventos de rodeio, e muito menos que sua égua poderia se transformar de “uma pequena e velha égua de gado” em uma atleta de tambor rápida o suficiente para se classificar para a principal competição de rodeio.

E então, após a terceira corrida na noite do evento, a média de pontos deu ao conjunto o 10º lugar na College National Finals Rodeo’s. Embora ainda tivessem 23 outros conjuntos para competir e potencialmente com chances de tirar a dupla do até então atual posição, Pozzi disse não ter dúvidas sobre seu animal. De fato ela sabia da qualidade da sua égua e esperaria dali para mais no próximo ano.

Os pais da Rachel comparam a égua dela, a Bubbles, em um estaleiro de vendas no Colorado por US$ 1.500,00. Inesperadamente, ela se tornaria uma atleta de rodeio mais de 10 anos depois. “Ela era um diamante não lapidado”, disse Pozzi.

Mas antes de chegar às grandes competições, o conjunto teve que superar algumas dificuldades. Quando mais nova, enviaram a Bubbles para treinar em outro local, mas a pessoa que a transportava decidiu pegá-la para si e nunca a entregou ao seu destino. Por dias seus proprietários buscaram ajuda para encontrá-la e contaram com a ajuda da confiável comunidade do cavalo para espalhar a notícia de que ela havia sumido.

Uma semana depois, alguns amigos encontraram a égua e a motorista no Texas. Ao que aparenta, a moça que a raptou reconheceu o impressionante pedigree com traços do Quarto de Milha de Bubbles, e por isso tinha mantido o cavalo para si. O animal foi devolvido e iniciou seus trabalhos na fazenda, até que atingiu seus 9 anos de idade de sua proprietária, Rachel, iniciou um trabalho paralelo para transformá-la em uma atleta de rodeio.

Onde elas treinavam não tinha uma arena própria para, então corriam e trotavam em torno de arbustos de mandiocas em um campo qualquer. Por já estarem acostumadas com chão desregular, o conjunto foi capaz de competir em alta velocidade quando de fato estavam em uma pista de verdade. “A coisa mais importante para criar um cavalo atleta é ter um cavalo “quebrado””, disse Pozzi.

Apesar de um começo nada fácil, Bubbles provou ser uma ótima aprendiz. O treinamento básico contribuiu para que ela conseguisse enfrentar a multidão das arenas. Até mesmo perto de outos cavalos ela se manteve livre de distrações.

Ainda que tivesse medo dos tambores, a ex-égua de gado usou desse fator para ser mais cautelosa com os objetos que ela circunda, evitando até mesmo derrubá-los durante competições.

Acima de tudo, Pozzi disse que Bubbles tem coragem. Ela é o tipo de cavalo que vai realizar o que precisa, não importando as circunstâncias. Ela correu na terra dura, molhada e até alagada. Ela corre através de granizo e vento mesmo quando está coberta de lama fria. Como seu dono, ela é simplesmente uma atleta durona.

“Ela é incrível!”, disse Pozzi. “Eu nunca esperei que um cavalo assim entrasse em minha vida.”

 

Fonte: Casper Star Tribune

Compartilhe este artigo nas redes sociais

Related Posts

O legado de Don Diego Bars

Não há um amante da Vaquejada que não conheça a história e admire o garanhão Don Diego BARS. Para o Haras Joel Gonçalves, o dia […]

25 maio 2018
Dicas: Preparo leilão

Para ter um leilão de sucesso é necessário mais do que uma genética que dê resultado nas pistas, é preciso beleza, saúde e postura. Chamar […]

04 maio 2018